O Terceiro Sector é composto por organizações privadas sem fins lucrativos, que atuam nas lacunas deixadas pelos sectores públicos e privados. Este sector representa as organizações em que não há apropriação do excedente gerado pela organização. É basicamente uma iniciativa do sector privado, porém com a peculiaridade de não perseguir primordialmente lucros. A base do sector em questão não é o lucro ou o poder, mas a possibilidade de solucionar problemas globais.

Apesar de várias definições encontradas sobre o Terceiro Sector, existe uma definição composta por cinco atributos estruturais ou operacionais que distinguem as organizações do terceiro sector de outros tipos de instituições sociais. São eles:

  • Formalmente constituídas: alguma forma de institucionalização, legal ou não, com um nível de formalização de regras e procedimentos, para assegurar a sua permanência por um período mínimo de tempo.
  • Estrutura básica não-governamental: são privadas, ou seja, não são ligadas institucionalmente a governos.
  • Gestão própria: realiza sua própria gestão, não sendo controladas externamente.
  • Sem fins lucrativos: a geração de lucros ou excedentes financeiros deve ser reinvestida integralmente na organização. Estas entidades não podem distribuir dividendos de lucros aos seus dirigentes.
  • Trabalho voluntário: possui algum grau de mão-de-obra voluntária, ou seja, não remunerada ou o uso voluntário de equipamentos, como a computação voluntária.

Há muito que o terceiro sector deixou de ser "um resíduo" deixado pelos outros sectores, Estado e Mercado, gerando uma dinâmica própria e contribuindo de forma inequívoca para o desenvolvimento económico de algumas regiões, através da criação de emprego e promoção socioeconómica das regiões. (In: wikipedia.org).

O que é um Portal do Terceiro Sector?

  • Objetivos:
    • Identificar as Organizações;
    • Caracterizar as Organizações;
    • Identificar o perfil da Economia Social na RAM;
    • Agenda Social atualizada.
  • Aumentar a visibilidade das organizações da Economia Social na RAM.
  • Facilitar a investigação/ estudos na área da Economia Social

Mais do que nunca é importante desenvolver ações no domínio da divulgação da economia social, assim como, continuar a revelar as várias facetas do sector da economia social e do seu impacto na sociedade regional, numa ótica económica e de responsabilidade social.

Porquê um Portal do Terceiro Sector?

Pretende-se que seja um espaço informativo de reflexão, participação, adesão e comunicação das organizações da economia social: associações, cooperativas, fundações, misericórdias, mutualidades e outras organizações do sector.

O Portal do Terceiro Sector na RAM vai permitir, por um lado dar mais visibilidade e divulgação às iniciativas das entidades da Economia Social da RAM à sociedade civil; por outro lado, permitir haver um espaço para as próprias instituições “dialogarem” e facilitar o trabalho em rede entre as mesmas, permitindo desta forma promover a captação e otimização de recursos.

Torna-se urgente continuar a revelar as várias facetas do sector da economia social e do seu impacto na sociedade regional, numa ótica económica e de responsabilidade social.